O Seguro Agropecuário na América Latina

Janeiro 2013 - O Seguro Agropecuário na América Latina vem ganhando destaque nos meios de comunicação devido à necessidade de busca por medidas eficientes de proteção à agricultura e pecuária por parte dos governos e iniciativa privada. Isto se deve, principalmente, à crescente importância econômica deste subcontinente na produção agropecuária mundial.

Desde o México, passando pelo Caribe, até a Argentina, temos visto uma forte incorporação dos programas de seguro agropecuário tradicionais por muitos agricultores, porém este movimento não tem sido suficiente para garantir a estabilidade de renda para a maior parte deles.

Os governos de diversos países vêm mostrando maior interesse em apoiar o desenvolvimento dos seguros agropecuários, seja através de subsídio ou da construção de políticas específicas para o setor – o que é extremamente importante, uma vez que o avanço deste tipo de seguro em qualquer país do mundo, com raras exceções, depende muito do apoio governamental.

Além disso, o aumento significativo da participação da agricultura no PIB dos países latino-americanos, as mudanças climáticas e a ocorrência de catástrofes naturais, aliados à instabilidade financeira do mercado global, impulsiona o mercado de seguros a desenvolver novas e mais adequadas soluções de coberturas para este segmento.

Apesar dos progressos já realizados em muitos países da América Latina, ainda existem diferenças significativas na estrutura, desenvolvimento e gestão dos riscos agropecuários na região, demonstrando a necessidade de se ampliar as discussões acerca deste tema e fomentar os diversos programas e modelos de sucesso.

Foi com este objetivo que, este ano, a Swiss Re organizou um workshop sobre seguros agropecuários na América Latina – Agro Latin America Worshop 2012, onde diversos players do mercado, incluindo seguradoras e governo, puderam compartilhar suas experiências e discutir os novos rumos do seguro agropecuário na região.

Nas discussões pudemos entender melhor alguns modelos de negócios de países latino-americanos que têm se destacado neste segmento, seja pela inovação, apoio estatal ou simplesmente volume de prêmios gerados. Pode-se verificar que a construção de uma base mais sólida de seguros envolve a estruturação de políticas de governo estáveis e permanentes, bem como de uma base de dados confiável e adequada, além de investimentos em conhecimento e tecnologia e do estabelecimento de marcos legais que permitam a evolução do mercado.

É necessário que o mercado de seguros e resseguros inove e desenvolva soluções diferenciadas e mais adequadas à realidade de cada região, como temos visto acontecer no Brasil nos últimos três anos. Porém, é ainda mais necessário que o governo se envolva mais no tema e crie de fato um programa específico para o setor, como temos visto acontecer no México.

Ainda existe grande potencial de crescimento do seguro agropecuário na América Latina, seja em termos de alcance da superfície e cultivos assegurados, seja pelo uso de tecnologia (Imagem de satélites, tecnologia móvel, etc) para gestão do risco e criação de novos produtos. Com relação a esta última, já vemos muitos avanços em países como Uruguai e Chile, com o desenvolvimento do chamado Seguro de Índice. Na Argentina, cujo mercado de seguro agrícola está estabelecido há anos, algumas companhias de seguros investem pesado em tecnologia para monitorar os campos segurados.

Ao contrario do que muitos pensam, o seguro não é um instrumento inovador, mas é uma importante ferramenta a ser agregada na gestão de risco pelas empresas agropecuárias e governos, principalmente na atualidade quando vemos maior frequência e severidade de eventos climáticos e de instabilidade na economia mundial.

Fondos de Aseguramiento no México

O sistema atual de seguros agropecuários no México conta com a participação do governo, da iniciativa privada e dos produtores rurais, na forma de fundos mutualistas de seguro – os chamados Fondos de Aseguramiento, que trouxeram grandes vantagens, tanto para o setor produtivo como para o mercado segurador. Saiba mais.

O Seguro de Receita no Brasil e o Papel do Governo

Desde a implementação do Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro pelo governo federal em 2005, a área segurada no Brasil saltou de 70.000 hectares para mais de 5 milhões de hectares em 2011. A importância segurada aumentou de 127 milhões de reais para mais de 7 bilhões de reais no mesmo período. Saiba mais.


Modelagem prospectiva: o segredo...

A digitalização e a globalização da sociedade e da indústria estão tornando o panorama de riscos cada vez mais complexo e interligado, aumentando o potencial de acumulação nas carteiras de responsabilidade...

Read the whole story

sigma 2/2016: Garantindo os mercados...

- O relatório sigma identifica 21 mercados na África Subsaariana, América Latina, Comunidade de Estados Independentes e Sul da Ásia com a combinação de condições ideais para o crescimento dos seguros...

Read the whole story