Swiss Re realiza Seminário de Engenharia no Brasil

Março 2013 - Um dos maiores especialistas em Seguro de Engenharia do mercado internacional, Luis Meneses, participará de seminário técnico no Brasil promovido pelo Grupo Swiss Re, nos dias 21 e 22 de março.

Neste e nos próximos anos, o Brasil receberá inúmeros investimentos no segmento de construção civil. Além das obras do governo no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), todos os projetos e empreendimentos direcionados à infraestrutura dos dois eventos esportivos mundiais – Copa do Mundo em 2014 e Olimpíadas em 2016 –, deverão aumentar consideravelmente a demanda por seguros de Riscos de Engenharia, entre outros. Em 2013, segundo estimativa da Confederação Nacional das Empresas de Seguros (CNseg), o segmento de Riscos de Engenharia poderá aumentar sua participação no faturamento do setor em 66% e até 2015 em 54%, em comparação a 2012.

Este cenário de oportunidades para o Seguro de Engenharia e a expertise do Grupo Swiss Re na subscrição de riscos, desenvolvimento de soluções de seguros e conhecimento do mercado, serão apresentados aos seus clientes em seminário, nos dias 21 e 22 de março, no Hotel InterContinental, em São Paulo (SP). Luis Meneses, um dos maiores especialistas em Seguro de Engenharia do mercado internacional, virá ao Brasil especialmente para o evento. Como gestor responsável pelos negócios facultativos de engenharia da Swiss Re na América Latina, Meneses, que acumula 30 anos de experiência na área de seguros, apresentará um panorama geral do potencial desse seguro no Brasil e demais países latino-americanos.

Em recente artigo (publicado na revista Fasecolda), Meneses demonstrou como a gama de coberturas oferecidas pelo Seguro de Engenharia poderia garantir os riscos de projetos de infraestrutura dos Governos, como complexos de geração de eletricidade, estradas, aeroportos, estádios etc., especialmente os que envolvem parcerias público-privadas. Segundo Meneses, países como México e Chile mantêm políticas permanentes de transferências de riscos tanto para a iniciativa privada como para o mercado de capitais.

Tanto que no Chile, por exemplo, os danos causados pelo terremoto às principais rodovias foram custeados com os recursos do seguro de obras concluídas, que é um tipo de cobertura importante para governos, já que a garantia de indenização vai além do período de execução da obra. No Brasil, Meneses atuou, por meio da Swiss Re, no plano de seguro para a obra da usina hidrelétrica Santo Antonio, em Porto Velho (RO).

Em entrevista à revista Cobertura (ed. 126), especializada em seguros, ele comentou que a análise e revisão de coberturas envolveram um longo processo de troca de informações entre os players participantes, em um tralhado alinhado, para atingir a melhor cobertura para o projeto. “Na Swiss Re, consideramos a transferência de risco com especialidade. Em todas as etapas do projeto participam as partes interessadas. Eles informam quais riscos desejam transferir e a Swiss Re cria as soluções para segurá-los”, disse.

Carreira

Em Miami, Estados Unidos, Luis Meneses gerencia os riscos de engenharia da Swiss Re na América Latina. Ele atua na empresa desde 1993, quando partiu da Venezuela para trabalhar em diversos escritórios na região.


Swiss Re estima pagamento de US$...

- Swiss Re estima que suas perdas com os eventos catastróficos (furacões Harvey, Irma e Maria e os terremotos no México) no valor de US$ 3,6 bilhões. - As perdas estimadas para o mercado segurador...

Read the whole story

Modelagem prospectiva: o segredo...

A digitalização e a globalização da sociedade e da indústria estão tornando o panorama de riscos cada vez mais complexo e interligado, aumentando o potencial de acumulação nas carteiras de responsabilidade...

Read the whole story