Segundo estudo sigma da Swiss Re, perdas globais seguradas decorrentes de desastres alcançaram US$ 37 bilhões em 2015; explosões em Tianjin causaram a maior perda segurada

Zurique, 30 de março de 2016 — De acordo com o estudo sigma mais recente, as perdas globais seguradas decorrentes de catástrofes naturais e desastres causados pelo homem somaram US$ 37 bilhões em 2015, número bastante inferior aos US$ 62 bilhões da média dos últimos 10 anos. Houve 353 desastres no último ano. Dentre eles, 198 foram decorrentes de catástrofes naturais, o maior número já registrado em um ano, segundo os registros do sigma.

  • As perdas globais seguradas decorrentes de catástrofes naturais ou desastres causados pelo homem somaram US$ 37 bilhões em 2015, número inferior aos US$ 62 bilhões da média anual dos últimos 10 anos
  • Este valor cobriu apenas cerca de 40% do número total de perdas econômicas globais
  • As explosões no porto de Tianjin, na China, foram a maior ocorrência de perda segurada do ano e a maior perda causada pelo homem de todos os tempos na Ásia
  • Um capítulo especial sobre o ocorrido em Tianjin ressalta uma falta de conhecimento sobre a acumulação de riscos em pátios de armazenagem/estocagem de veículos ao ar livre
  • Houve 198 desastres naturais em 2015, o maior número registrado pelo sigma
  • Mais de 26.000 pessoas morreram em desastres em 2015

O valor total de perdas econômicas de todos os desastres, incluindo ocorrências naturais e causadas pelo homem, foi de US$ 92 bilhões em 2015 (contra US$ 113 bilhões em 2014). Cerca de US$ 80 bilhões foram gastos em decorrência de catástrofes naturais, com o terremoto no Nepal causando a maior perda. As perdas econômicas globais ficaram bem abaixo da média anual de US$ 192 bilhões dos últimos 10 anos. Dos US$ 37 bilhões em perdas globais seguradas, US$ 28 bilhões foram atribuídos a catástrofes naturais, aproximadamente o mesmo valor de 2014. A maior perda segurada do ano - uma perda patrimonial estimada entre US$ 2,5 e 3,5 bilhões, foi causada por duas grandes explosões no porto de Tianjin, na China, em agosto.

Ásia sofre a maioria das perdas de 2015

As perdas econômicas de todas as ocorrências na Ásia ficaram próximas de US$ 38 bilhões. O terremoto no Nepal foi o maior desastre do ano em todo o mundo, matando cerca de 9.000 pessoas - a maior perda de vidas em uma única ocorrência. Estima-se que o total de perdas decorrentes do terremoto no Nepal seja de US$ 6 bilhões, incluindo perdas documentadas na Índia, China e Bangladesh. Outras ocorrências que causaram um grande número de perdas na Ásia foram o tufão em Goni, no Japão, as enchentes no sudeste da Índia e as explosões em Tianjin. De acordo com o economista-chefe da Swiss Re, Kurt Karl: “O terremoto no Nepal atingiu as proximidades da capital Kathmandu, causando ampla destruição e perdas, em sua maioria não seguradas. Novamente, a tragédia chegou a áreas onde as pessoas são menos capazes de se proteger”.

Do frio ao calor

O nível de perdas em todo o mundo foi baixo em comparação com a média anual dos últimos 10 anos. Isso se deu, em grande parte, a uma temporada de furacões moderada nos EUA. O ano passado foi o 10º ano consecutivo onde nenhum furacão de grande importância chegou à costa dos EUA.[1] Na América do Norte, a maior perda veio das tempestades de neve, em meados de fevereiro, que causaram perdas em 17 estados, sendo o estado de Massachusetts o mais prejudicado. As perdas seguradas combinadas somaram US$ 2 bilhões, em grande parte devido a rupturas de tubulações de água congelada, ao peso de gelo acumulado ou aos danos patrimoniais causados pela água.

Apesar do inverno rigoroso nos EUA, no panorama geral, 2015 foi o ano mais quente já registrado. Ondas de calor fizeram algumas vítimas em todo o mundo, enquanto longos períodos de temperaturas altas e falta de chuvas causaram secas e incêndios espontâneos em várias regiões. Os EUA tiveram o pior ano de incêndios espontâneos desde 1960 devido ao calor e ao clima seco. Indonésia e Austrália também foram afetados por incêndios espontâneos. Por outro lado, regiões como a Índia e o Reino Unido registraram precipitação excessiva. Na Índia, a cidade de Chennai foi paralisada pela enchente após acumular mais de 500 mm de água de chuva apenas em novembro. A esta ocorrência seguiu-se, em dezembro, as enchentes em várias áreas no centro e norte do Reino Unido devido a várias tempestades. As estimativas preliminares colocam o valor das perdas seguradas decorrentes das enchentes no Reino Unido em cerca de US$ 2 bilhões. Fortes chuvas e enchentes também atingiram diversos estados dos EUA.  

Os padrões climáticos globais desviaram-se das normas climáticas de 2015, sendo o El Niño o maior fator de contribuição para tal mudança. Por exemplo, não ocorreram chuvas tropicais no Atlântico Norte, mas foi uma temporada muito ativa no Pacífico.

Tabela 1: Total de perdas seguradas e econômicas em 2015 e 2014

Tabela 2: As mais onerosas perdas seguradas decorrentes de catástrofes em 2015 (em bilhões de dólares)

Tianjin: um quebra-cabeça complexo de acumulação de riscos

O sigma inclui um capítulo especial sobre o Tianjin, que destaca a acumulação de riscos em pátios de armazenagem/estocagem de veículos ao ar livre, tais como os portos. A imposição de uma zona de exclusão nos locais, devido ao risco de explosões e às operações de limpeza, dificulta a avaliação das seguradoras quanto às perdas decorrentes dos muitos ativos perdidos ou destruídos, tais como os muitos carros em trânsito no porto. A gravidade das explosões e da grande exposição de ativos na ocasião significa que Tianjin, além de ser a maior perda segurada de 2015, é a maior perda segurada causada pelo homem já registrada na Ásia e também uma das maiores perdas seguradas causada pelo homem de todos os tempos.

Tabela 3: Maiores perdas globais seguradas causadas pelo homem, em bilhões de dólares (valores de 2015)

Este sigma também inclui um especial sobre como as tecnologias aéreas e digitais, incluindo as mídias sociais, são e podem ser usadas na gestão de riscos de desastres.


[1]Quando chegou à costa dos EUA em 2012, o furacão Sandy causou a terceira maior perda de todos os tempos decorrente de uma tempestade. Porém, não foi registrado como um furacão de “grande importância” na escala Saffir-Simpson.

Nota para os editores

Swiss Re
O Grupo Swiss Re é um dos principais fornecedores atacadistas de resseguro, seguro e outras formas de transferência de risco baseadas em seguro. Negociando diretamente ou trabalhando por intermédio de corretores, sua carteira global de clientes é composta por companhias de seguros, empresas de médio a grande porte e clientes do setor público. De produtos padronizados a coberturas específicas em todas as linhas de negócios, a Swiss

Re coloca à disposição sua solidez financeira, sua experiência e sua capacidade de inovação para permitir que riscos sejam assumidos, condição imprescindível ao progresso empresarial e social. Fundada em 1863 em Zurique, na Suíça, a Swiss Re atende a clientes por meio de uma rede de aproximadamente 70 escritórios localizados ao redor do mundo, e possui a classificação "AA-" pela Standard & Poor's, "Aa3" pela Moody's e "A+" pela A.M. Best. As ações da empresa holding do Grupo Swiss Re, Swiss Re Ltd, são cotadas de acordo com a Norma Principal (International Reporting Standard) na bolsa de valores da Suíça, SIX Swiss Exchange, e negociadas com o código SREN. Para obter mais informações sobre o Grupo Swiss Re, acesse www.swissre.com ou siga-nos no Twitter @SwissRe.

Como solicitar este estudo sigma:
As versões em inglês, alemão, francês e espanhol do estudo sigma nº 6/2015, "Seguro de vida na era digital: uma mudança fundamental à frente", estão disponíveis eletronicamente no site da Swiss Re: www.swissre.com/sigma. As versões em chinês e japonês serão divulgadas em breve.

Também já estão disponíveis as edições impressas do estudo sigma nº 6/2015, em inglês, francês, alemão e espanhol. As versões impressas em chinês e japonês estarão disponíveis em breve. Envie seu pedido, com o seu endereço completo, para sigma@swissre.com

Como obter uma cópia do comunicado de imprensa desse sigma:
As versões em inglês, alemão, francês, espanhol e português do comunicado de imprensa deste sigma estão disponíveis eletronicamente no site da Swiss Re: www.swissre.com


Modelagem prospectiva: o segredo...

A digitalização e a globalização da sociedade e da indústria estão tornando o panorama de riscos cada vez mais complexo e interligado, aumentando o potencial de acumulação nas carteiras de responsabilidade...

Read the whole story

sigma 2/2016: Garantindo os mercados...

- O relatório sigma identifica 21 mercados na África Subsaariana, América Latina, Comunidade de Estados Independentes e Sul da Ásia com a combinação de condições ideais para o crescimento dos seguros...

Read the whole story